Qualidade na Construção Civil

Qualidade na Construção Civil

ÍNDICE                                                                  Pág

 

1 –  MEMÓRIA DESCRÍTIVA E JUSTIFICATIVA.. 2

1.1 Objectivos. 2

1.2 Considerações Gerais sobre a Obra. 2

1.2.1 Descrição Geral da Obra. 2

1.2.2 Método de Execução dos Trabalhos. 2

1.2.3 Descrição e Caracterização dos Materiais e Máquinas. 3

1.2.4 Controlo de Qualidade. 3

1.2.5 Verificação ao tipo de terreno e escavação. 4

1.2.6 Infraestruturas circundantes à obra. 5

1.3 Emprego dos explosivos. 6

1.3.1 Precauções no emprego de produtos explosivos e actividades relacionadas a estes. 6

2 – PROCEDIMENTOS DE EXECUÇÃO.. 7

Marcação de Furos. 9

Execução da Perfuração. 10

Carregamento dos Furos. 11

Detonação dos furos carregados. 13

Ventilação, Saneamento, Carga e Remoção de Escombros. 15

Execução do Suporte Inicial 16

3 –  PLANO DE INSPECÇÃO E ENSAIO.. 17

Material F01. 20

Marcação de Furos F02. 21

Execução da Perfuração F03. 23

Carregamento dos Furos F04. 26

Detonação dos Furos Carregados F05. 28

Ventilação, Saneamento, Carga e Remoção de Escombros F06. 30

Execução do Suporte Inicial F07. 31

4 –  PEÇAS DESENHADAS. 33

1 –  MEMÓRIA DESCRÍTIVA E JUSTIFICATIVA

1.1 Objectivos

Este trabalho tem por finalidade a elaboração de um plano de inspecção e ensaios que vão originar a elaboração de vários documentos fundamentais para garantir a qualidade da obra na sua execução.

Para se atingir este objectivo, serão descritas certas considerações que temos de ter em conta para a execução deste, não esquecendo alguns procedimentos que são fundamentais para o processo de qualidade.

A obra em questão destina-se à execução de um túnel de metropolitano, que atravessa um maciço rochoso de basalto.

O método utilizado para o desmonte da secção foi “Drilling + Blasting” (método de explosivos), este método confere uma maior rapidez de escavação e maior perfeição dos contornos dos hasteais e tecto.

As peças desenhadas e explicativas das fases construtivas encontram-se em anexo designado por “Anexo Peças Desenhadas”.

1.2 Considerações Gerais sobre a Obra

1.2.1 Descrição Geral da Obra

A obra consiste na execução em maciço rochoso de um troço de um túnel de movimentação entre estações de um metropolitano.

1.2.2 Método de Execução dos Trabalhos

Na abertura do túnel de metropolitano, efectua-se as operações de emboquilhamento por intermédio do método de desmonte por explosivos, iniciando-se pela perfuração da frente de escavação do maciço, conforme as disposições construtivas e com a profundidade da pega de avanço.

O plano de tiro é constituído pelos furos de caldeira, furos de soleira, furos de hasteais e tecto e por furos de desmonte auxiliares. Este, é estabelecido de modo a que cada um dos furos tenha uma face livre.

Seguido do plano de tiro procede-se ao carregamento dos furos com carga explosiva  e efectua-se a sua explosão, utilizando detonadores eléctricos com os respectivos atrasos, de modo a que as explosões se processem da caldeira para o contorno, de forma a que cada tiro seja efectuado após ter decorrido o tempo necessário para a expulsão do material libertado pelos tiros anteriores.

Posteriormente as operações de desmonte, efectua-se a ventilação da frente de modo a expelir os gases e poeiras provocadas pelas detonações, e procede-se ao saneamento da frente pela remoção dos escombros e desprendimento de blocos instáveis.

Finalmente segue-se o sustimento ou suporte do maciço, que no nosso caso foi combinado pela aplicação de uma malha electrosoldada com pregagens swellex e com uma camada de betão projectado.

1.2.3 Descrição e Caracterização dos Materiais e Máquinas

Os materiais a utilizar em obra são:

  • Aço A500 NR
  • Betão Estrutural C30/37
  • Pregagens swellex de 1,5 a 2 metros de espaçamento
  • Explosivos: – Nobel Prime

– Gurit

– Dinamex M

– Emulite

As máquinas utilizadas na obra serão:

  • Barrena H28 com uma ponta em bisel R28 de 38 mm
  • Barrena H28 com uma ponta em bisel R32 de 55 mm
  • Máquina de perfuração “JUMBO – Raildrill H 450-32”
  • Martelo de perfuração “COP 1032”
  • Carregador – Haggloader 8 HR1
  • Transportador – Shuttletrain HRST 90 C
  • Giratória de 35 TON.
  • Grua Torre
  • Pá carregadora
  • Máquina de betão projectado
  • Auto-betoneira
  • Camião bomba de betão
  • Meios topográficos

Os componentes acessórios utilizados na obra serão:

  • Cimbres
  • Plataforma de trabalho

1.2.4 Controlo de Qualidade

O controlo de qualidade da obra divide-se em quatro partes:

  • Material
  • Máquinas
  • Componentes acessórios
  • Processos de execução

O controlo de qualidade do material utilizado é feito após a sua chegada à obra, é feita uma primeira inspecção visual para verificar o seu estado, uma vez verificadas as condições este é encaminhado para a área de armazenamento.

No que respeita ao Aço A500 NR, os varões devem conter as seguintes informações:

  • Tipo de aço
  • Comprimento
  • Diâmetro
  • Qualidade de superfície
  • Data de entrega

Deverá ser efectuado um controle ao tipo de aço através de uma máquina que indica o tipo de aço por simples contacto.

Em relação ao betão estrutural ( C30/37 ), o controlo deve ser executado através de:

  • Provetes de ensaios quadrados para execução de testes de compressão, tracção, corte, fluência e relaxação.
  • Teste de Vêbê

O explosivo chega à obra no dia em que irá ser aplicado, até este ser aplicado o responsável pela segurança e qualidade destes é a entidade vendedora.

As pessoas responsáveis pela colocação dos explosivos e detonação, são os trabalhadores pertencentes à empresa responsável pela execução da obra, estes deverão ser detentores de uma licença de fogo.

O controlo de qualidade das máquinas utilizadas é feito através de um certificado do fabricante ou revendedor que garanta o bom funcionamento das mesmas e quando as máquinas executarem serviços de alto rigor, é exigida a homologação e certificação por parte de entidades competentes.

O certificado de fabricante tem que ser substituído cada 3 meses e a certificação é geralmente dada pelas entidades competentes de ano a ano.

Os componentes acessórios serão verificados antes de serem transportados para a obra e os aspectos a controlar são os seguintes:

  • Dimensões
  • Peritagem de cálculo

1.2.5 Verificação ao tipo de terreno e escavação

A classificação do maciço rochoso deve ser feira com base na classificação geomecânica de Bieniawski. Dispondo-se de uma rocha do tipo: Basalto  b.

De seguida apresentam-se os parâmetros classificativos, sua descrição e respectiva nota

atribuída pela classificação geomecânica de Bieniawski.

Parâmetros Classificativos Descrição Nota
Resistência à compressão uniaxial da rocha intacta 240 Mpa 15
R.Q.D. 80% 17
Espaçamento das diáclase 0,6 m 20
Estado superficial das diáclases Superfícies muito ásperas, diaclases s/ separação 25
Água Subterrânea 10 L/min. 8

 

 

 

 

Convém sempre verificar in situ se os perfis longitudinais teóricos em que se basearam os projectistas estão de acordo com os perfis do terreno reais.

1.2.6 Infraestruturas circundantes à obra

Na preparação da obra deve-se tentar obter o maior de informação e o mais preciso sobre a posição e a profundidade de outras canalizações, cabos, e outras instalações enterradas de serviços públicos, não dispensando a ajuda das entidades que fazem a exploração destes equipamentos.

Deve ser dado a conhecer com relativa antecedência às entidades exploradoras, a largura, profundidade e localização das escavações a efectuar.

Sempre que se trate de executar túneis em terrenos particulares, há que, com a devida antecedência, promover a aquisição desses terrenos ou obter, junto dos respectivos proprietários, permissões de utilização. Estes devem ser avisados, com a antecipação conveniente, da data provável da execução das obras nos seus terrenos.

No caso em que seja necessário executar obras sob vias públicas é da maior conveniência comunicar à entidade competente o programa de trabalho, para que possam ser tomadas as medidas adequadas ao eventual desvio do trânsito, e respectiva sinalização.

Durante a execução, deve evitar-se que as obras impeçam o acesso às propriedades ao longo de ruas e estradas, caso aconteça torna-se indispensável dar conhecimento, com suficiente antecedência, aos proprietários e ocupantes dos prédios e estabelecimentos atingidos, e encarar inclusivamente o pagamento de qualquer indemnização.

Na eventualidade de serem feitas escavações ou uso de explosivos em zonas de edifícios ou outras construções, é da maior utilidade promover, para cada caso, uma reunião das entidades interessadas, com o fim de, se proceder antes do início da obra à inspecção de tais construções, com vista ao conhecimento do seu estado de conservação. É aconselhável que os resultados desta vistoria constem de auto devidamente autenticado, onde figurem especificamente a existência, localização e dimensões de fendas.

 

1.3 Emprego dos explosivos

1.3.1 Precauções no emprego de produtos explosivos e actividades relacionadas a estes

  • As entidades que utilizam produtos explosivos são responsáveis por quaisquer acidentes que resultem do seu emprego.
  • As entidades responsáveis pelos trabalhos em que se empreguem produtos explosivos devem promover que seja ministrada a necessária instrução aos executantes.
  • Na introdução de explosivos nos furos de desmonte, bem como o seu atacamento deve proceder-se com precaução, evitando os choques e os movimentos bruscos e utilizando um atacador de madeira ou de material não susceptível de provocar faíscas, devendo os cartuchos ser apenas escorvados na ocasião do seu emprego.
  • É proibido fumar ou fazer lume nos locais de emprego de produtos explosivos ou em quaisquer outros onde tais produtos se encontrem.
  • Na abertura dos caixotes com explosivos só podem ser usadas cunhas e maços de madeira ou outro material aprovado pela direcção-geral de geologia e minas.
  • Os produtos explosivos devem ser distribuídos apenas para os locais a que se destinam e da forma prescrita pelo responsável dos trabalhos.
  • Aos operadores devem ser entregues apenas as quantidades necessárias para o trabalho a executar.
  • Os produtos explosivos não utilizados devem ser imediatamente devolvidos aos representantes.
  • O cordão detonante só deve ser aplicado no explosivo imediatamente antes da sua utilização.
  • Nenhuma explosão pode ser provocada sem o operador de explosivos verificar que todos os trabalhadores se encontram em situação protegida.
  • No disparo devem utilizar-se condutores isolados e as ligações das linhas têm de ser eficazmente isoladas.
  • As linhas de tiro devem ser colocadas de modo a não poderem entrar em contacto com as linhas de energia ou iluminação, com tubos metálicos ou outro material condutor da electricidade.
  • Os disparadores eléctricos devem ser mantidos em perfeitas condições de funcionamento para o que deverão ser efectuadas revisões e verificações periódicas.
  • No disparo eléctrico não são permitidas pegas com um numero de detonadores superior à capacidade do disparador.
  • Os tiros falhados não devem ser abandonados sem o devido controlo.
  • Quando o tiro falhar deve lavar-se o furo com um dispositivo apropriado para retirar o explosivo carregando-o de novo.

 

 

2 – PROCEDIMENTOS DE EXECUÇÃO

Procedimentos garantem a qualidade da execução do projecto e também fornecer um ordenamento das várias operações, devendo ser estas feitas de forma objectiva, para que quem as seguir não tenha qualquer tipo de dúvida não pondo assim em causa a exigência de qualidade na execução da obra.

No que se refere ao nosso trabalho os procedimentos são os seguintes:

  • Marcação de Furos
  • Execução da Perfuração
  • Carregamento dos Furos
  • Detonação dos furos carregados
  • Ventilação, Saneamento, Carga e Remoção de Escombros
  • Execução do Suporte Inicial

 

 

3 –  PLANO DE INSPECÇÃO E ENSAIO

O controlo e observação da obra, evita assim eventuais cenários de risco, como por exemplo: fendilhação dos elementos estruturais á superfície tal como os seus assentamentos e alteração de verticalidade. Estes cenários de risco podem ser devidos a colapso dos suportes por carregamento excessivo, assentamentos excessivos na superfície, rotura da superfície da frente de escavação, deformação de elementos da obra que não estão de acordo com a sua exploração,  e deslizamento de taludes por descompressão de blocos.

O controlo dos factores referidos anteriormente serão realizados do seguinte modo:

–    Extensómetros, medem as deformações devidas a assentamentos e serão colocados no recobrimento do túnel com várias cabeças de leitura e com colocação radial;

–          Inclinómetros, medem as deformações horizontais  e serão colocados desde a superfície até ao extradorso mais próximo:

–          Células de pressão, avaliam o estado de tensão entre o suporte e o maciço, por isso serão colocadas entre o maciço e o suporte.

–          Piezómetros, medem as variações dos níveis da água no terreno, sendo instalados nos terrenos

–          Convergeómetros, medem as convergências do túnel analisando a sua geometria e são colocados no interior do túnel.

–          Serão analisadas secções dos túneis através de medições topográficas.

–          Deverão ser efectuadas observações periódicas dos utensílios de medição.

–          Serão instalados alvos fixos e fissurómetros em edifícios, para medirem os deslocamentos e a largura das fissuras.

–          A informação recolhida deverá circular entre as entidades envolvidas no projecto.

A segurança e conservação do túnel deverá ser efectuada através da instalação de sistemas de energia eléctrica dotados de grupos geradores, sistemas de iluminação, sistemas de ventilação, sistemas de detecção e extinção de incêndios. Deverão ser instalados sistemas de comunicação ( telefones, etc..), sinalização.

Para a realização de inspecções e ensaios a materiais, utilizar-se-á as Fichas de Inspecção e Ensaio. Estas Fichas estão organizadas com fim de servir várias utilizações desde controle de qualidade de materiais à chegada, controlo de manutenção de máquinas ou ensaios de provetes.

Todas as Fichas preenchidas deveram ser conservadas até ao fim da obra no estaleiro e após o fim desta obra arquivadas na sede da empresa.

No que se refere ao nosso trabalho as fichas de inspecção e ensaio são apresentadas de seguida.

Material F01

Download (PDF, 13KB)

Marcação de Furos F02

Download (PDF, 17KB)

Execução da Perfuração F03

Download (PDF, 55KB)

Carregamento dos Furos F04

Download (PDF, 21KB)

Detonação dos Furos Carregados F05

Download (PDF, 16KB)

Ventilação, Saneamento, Carga e Remoção de Escombros F06

Download (PDF, 12KB)

Execução do Suporte Inicial F07

Download (PDF, 16KB)